Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Albergue Espanhol

"-Já alguma vez estiveste apaixonado? - Não, fui barman toda a minha vida." My Darling Clementine, John Ford.

Albergue Espanhol

"-Já alguma vez estiveste apaixonado? - Não, fui barman toda a minha vida." My Darling Clementine, John Ford.

A Distrital do Porto do PSD:

Ontem, na Assembleia Distrital do Porto do PSD, a primeira após as legislativas, Marco António Costa deixou três mensagens significativas: O tempo não é de festejos mas de trabalho; Provocou eleições antecipadas e lembrou que 2013 é já amanhã (eleições autárquicas). Foi uma intervenção corajosa, sobretudo no primeiro aviso que deixou aos militantes.

 

O Presidente da Distrital do Porto do PSD foi bem claro. Salientando o excelente resultado obtido no distrito, o melhor dos últimos 20 anos e um dos melhores de sempre, sublinhou a mudança até num ponto pouco habitual, sobretudo quando olhamos para o anterior governo: as escolhas para os lugares estão e continuarão a ser feitas tendo em conta as qualidades técnicas, profissionais e políticas dos escolhidos e não apenas e só pelo facto de serem militante do partido.

 

Esta primeira declaração foi um aviso à navegação. Os corporativos fartaram-se de escrever sobre “o pote” e procuraram passar uma ideia simples: se o PSD vencer vai “atacar” os lugares. Tal como foi feito na anterior legislatura pelo governo cessante. A primeira marca de diferença, de mudança, já está a ser colocada em prática e foi isso que Marco António quis deixar bem claro aos militantes do Porto.

 

Depois, informou que a Distrital do Porto, a maior do país, vai a eleições antecipadas já a 22 de Julho. Foi a surpresa geral. Depois de uma vitória retumbante, ninguém esperava uma decisão dessas. Obviamente, as eleições autárquicas de 2013 podem ser a razão principal para esta decisão. No Distrito do Porto não são poucos os actuais presidentes de câmara impedidos de se recandidatar e tudo indica que não serão umas eleições fáceis para os dois partidos no poder. A preparação atempada a isso obriga.

 

Não sei, nem faço a mais pequena ideia, se Marco António se vai recandidatar. A Distrital do Porto teve um comportamento exemplar e fundamental antes das eleições, durante a campanha e após a vitória. Não esqueço a impressionante campanha no distrito nestas legislativas. Ao longo destes anos conseguiu crescer (em militantes e em militância) e ser uma voz atenta e escutada no Distrito, no Norte e no país. Se Marco António se recandidatar, terá uma vitória expressiva (e merecida) fruto do trabalho que ele e a sua equipa fizeram e natural, tendo em conta que somos um povo com memória.

 

Uma coisa eu sei: o Porto e o Norte precisam de uma distrital do Porto do PSD que continue a ser forte, atenta e interventiva.

 

 

ADENDA DE ÚLTIMA HORA: O Miguel Abrantes, sempre um querido, não leu a coisa convenientemente. Ora, entre fazer-lhe um desenho e explicar por escrito, prefiro a última pois sempre fui fracolas a desenhar: quando falo, logo no início, em "provocou eleições antecipadas" estou a falar, como facilmente se depreende ao ler o resto do post, de antecipadas na Distrital. Eu percebo o Miguel, ainda está traumatizado com o resultado de 5 de Junho. Para a próxima vez, peço ao secretário da mesa uma cópia da acta e envio-lha.

Posso enviar pelo Assis? Será Seguro?

Da série "Parágrafos que impõem respeito":

O PS transformou-se numa fábrica de boatos diários sobre o programa eleitoral do PSD. Como não têm propostas credíveis para apresentar aos portugueses, os socialistas gastam a sua energia e o seu tempo a tentar descredibilizar e a denegrir as propostas sociais-democratas de uma forma primária e até perigosa do ponto vista democrático.

Da série "Frases que impõem respeito"

Marco António Costa (vice-Presidente do PSD): "O PS e o seu governo são um Titanic na política portuguesa"

 

O PS e José Sócrates (o evangelista) perderam, definitivamente, a vergonha e utilizam todas as formas e mentiras na procura de mais uns votos. É o vale tudo, até arrancar olhos e mentir com os dentes todos. A última é afirmar que o PSD pretende destruir o SNS. Ou muito me engano ou vai ser assim até dia 5 de Junho, com Sócrates e os seus marretas (abrantinos) a repetir as mentiras a ver se as mesmas se transformam milagrosamente em verdades.

A Questão Portuense:

 

 

 

 

 

As próximas eleições autárquicas, fruto da lei que limita os mandatos, vão obrigar os diferentes partidos a mudanças profundas nos seus candidatos. Segundo algumas contas, feitas por alto, estamos a falar de 1/3, no mínimo, de mudanças de cabeça de lista.

 

Um dos casos mais emblemáticos é o do Porto. O actual presidente, Rui Rio, não se pode recandidatar e se o PS já decidiu o seu candidato (Manuel Pizarro), a coligação PSD-CDS está longe de encontrar um candidato consensual. Ora, sendo o Porto a minha cidade, não posso deixar de reflectir sobre o tema.

 

O actual presidente da Câmara Municipal de Gaia, Luís Filipe Menezes, é um dos nomes mais falados para substituir Rui Rio. Contudo, será muito complicado (simpatia minha) o PSD e o CDS escolherem um candidato contra a vontade clara do actual presidente. Todos sabem a relação entre Rio e Menezes, não vale a pena fazer de conta…

 

Por sua vez, Rui Moreira surge como outra hipótese. Complicada para certos sectores do PSD-Porto mas óptima para o CDS fruto da sua antiga proximidade com este partido. O que pode ser um forte entrave ao consenso.

 

Por outro lado, José Pedro Aguiar Branco, um dos ilustres da cidade e consensual para as diferentes sensibilidades do PSD local e amigo próximo de Rui Rio, poderia ser uma forte hipótese. Contudo, JPAB prefere, julgo, continuar a cimentar a sua carreira a nível nacional e, em especial, em Lisboa (seja na Assembleia da República, seja num futuro Governo).

 

Assim sendo, olhando para o actual cenário e tendo presente que 6 meses em política são uma eternidade, só vejo uma figura consensual e com elevada capacidade de fazer o pleno no PSD e no CDS e tendo projecção política mais do que suficiente para ganhar a Manuel Pizarro.

Existe um candidato que agrada a Rui Rio e Filipe Menezes, que teria todo o apoio do PSD e do CDS (foi o grande obreiro das coligações autárquicas na Grande Área Metropolitana do Porto), com projecção regional e nacional, claramente vencedor e com enorme experiência autárquica.

 

Por muito surpreendente que possa parecer aos leitores que não são do Porto e arredores. Por estranho que possa parecer ao próprio, julgo que Marco António Costa é, neste momento, o único nome consensual de centro-direita e direita para liderar uma candidatura vencedora mantendo a Câmara Municipal do Porto.

 

Sinceramente, não vejo outra hipótese. Caso contrário, Manuel Pizarro poderá vir a ser o substituto de Rui Rio.