Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Albergue Espanhol

"-Já alguma vez estiveste apaixonado? - Não, fui barman toda a minha vida." My Darling Clementine, John Ford.

Albergue Espanhol

"-Já alguma vez estiveste apaixonado? - Não, fui barman toda a minha vida." My Darling Clementine, John Ford.

Default/Reestruturação: a Espanha e a Itália

Enquanto mais de metade dos meus últimos posts têm sido sobre a necessidade de realizar quanto antes uma reestruturação parcial não só da dívida grega mas também da irlandesa e da portuguesa, em vez de se esperar pelas eleições na França e na Alemanha - já Nouriel Roubini lança para cima da mesa o cenário da reestruturação espanhola e italiana.

A Itália Aí Tão Perto

Imaginem que depois da Irlanda, Grécia e Portugal e passando pela Espanha e pela Bélgica se chega à Itália (e se fica mais perto da França).

 

Imaginem que a Itália precisa de ser resgatada. Ora acontece que a Itália é grande demais. Mas continuemos a imaginar...

 

Em tal situação (no futuro) alguém poderia acreditar que os então já familiares eurobonds continuariam a ter um rating triple A?

 

A Moody's acreditaria?

 

Pois. Daí a minha pergunta.

Catch Me If You Can

Prova a Prendermi - Algumas previsões berlusconianas:

 

Prima:     Não tenham ilusões: quando e se Berlusconi cair, a sua queda será pela via política e não pela via judicial.

 

Seconda: Quando e se Berlusconi cair, a sua queda ocorrerá pelo centro-direita e não pela esquerda. A oposição de esquerda italiana ainda está muito longe do nível de organização - e popularidade - das direitas e do centro-direita.

 

Terza:      Só após a queda e com o fim das várias imunidades é que talvez seja possível atingir Berlusconi por via judicial. Porém, uma vez arredado Il Cavaliere do poder político formal, as intenções de o processarem também enfraquecerão. Se é verdade que razões de natureza legal e de licitude (ou de falta dela) abundam para levar o Presidente do Conselho dos Ministros italiano a tribunal, também é verdade que uma boa parte de tais intenções são politicamente motivadas.

 

Moral da história: O safado Berlusconi safa-se hoje, nos tempos próximos e no futuro longínquo. Mas a história poderia ser diferente? Poderia, se o país fosse outro (caso em que um berlusconi nem nunca teria chegado ao governo).

Palpitações Concupiscentes

The circumstantial evidence may be strong, but did Mr Berlusconi have sex with Ms Mahroug? Both deny it, so how will the prosecutors go about proving it? According to La Repubblica, that is not as critical a detail as it may seem. The court has ruled that even if the sex act itself did not occur, what they charmingly term palpitazioni concupiscente – lustful petting – amounts to the same thing. And "bunga-bunga", as Ms Mahroug has explained, certainly involves that (aqui).

 

O maldito Berlusconi está metido numa belíssima alhada. No entanto, este político é um autêntico sempre-em-pé: não tomba nem politicamente, nem judicialmente. E não me parece que o levantamento parcial da sua imunidade o fragilize assim tanto. Infelizmente.

Portugal Pré Cavaco

Sempre que saio de casa sou forçado a uma viagem ao Portugal Pré Cavaco Silva. A cidade de Florença é como Portugal era nos finais da década de setenta e início dos anos oitenta. Há escola aos Sábados: o fim-de-semana dos giovani e bambini só começa à uma da tarde de Sábado. Durante toda a semana, tudo o que é loja fecha para almoço, da uma às três e meia ou mesmo até às quatro. Até as pizzerie que só vendem para fora fecham para almoço! (Mas no Portugal Pré Cavaco não havia ainda pizzerie). Ao Domingo não há negócio algum que abra portas; a mesma coisa Sábado à tarde. Não há centros comerciais nem gigamercados (se os há ficam longe). E os estabelecimentos, mesmo os mais sofisticados, têm sempre pouca coisa: encontra-se computadores Toshiba mas só há um único modelo disponível. Por outro lado, existem retrosarias e sapateiros (fui ontem a um comprar atacadores: senti-me no milénio anterior!).

 

É o reino do comércio local, das lojas em que os empregados também são donos e em que os donos-empregados não prestam serviços aos clientes mas sim favores. É o comércio em que os clientes são avaliados pelos lojistas e não o contrário. "This is a local shop for local people" lê-se nos rostos dos empregados-donos, que mudam automaticamente quando percebem que o cliente não é dali: nem daquela cidade, nem daquele país.

 

Não falo da cidade lindíssima e hiper-turística. Falo da Florença de quem de facto vive aqui, de Segunda a Domingo, trabalhando ou estudando. E falo também de Portugal, que mudou muitíssimo a partir de Cavaco. O nosso país ganhou em comodidade (e comodismo, diga-se) e também na tecnologia aplicada ao quotidiano (também se diga que o país ainda não é nenhuma Estónia...). Sobretudo, o sector privado e as relações empresa-cliente melhoraram ostensivamente.

 

 

 

 

Ok, ok: Portugal recente nunca foi tão arcaico como o meu termo de comparação...