Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Albergue Espanhol

"-Já alguma vez estiveste apaixonado? - Não, fui barman toda a minha vida." My Darling Clementine, John Ford.

Albergue Espanhol

"-Já alguma vez estiveste apaixonado? - Não, fui barman toda a minha vida." My Darling Clementine, John Ford.

Excursionista me confesso

Em Cachimbo de Magritte habituei-me a ler um blogue onde se pensa. Mas em relação à crise egípcia, alguns dos autores locais têm andado aos papéis, ainda por cima desvalorizando opiniões diferentes das suas com truques de retórica, sobretudo mudando de posição em cada dia e acusando outros de inconsistência. Falo das reacções à minha posição sobre o tema, ou à do Pedro Correia, mais abaixo, interpretando-as como tontas capitulações ocidentais perante o perigo iminente das hordas bárbaras. Uma crítica minha na caixa de comentários recebeu uma resposta intrigante, daquelas que alguns costumam dar a tolos ignaros.

Outro autor do mesmo blogue, Carlos Botelho, diz que tem cautelas e escreve isto, mas suponho que, depois do que tem escrito, deverá manifestar no futuro alguma dificuldade em opinar sobre o Irão. O mesmo autor faz um post com uma imagem de Hitler a conversar com o grande mufti de Jerusalém, em 1944, numa referência às crises no Médio Oriente, mas infelizmente não explicando o seu ponto.

Julgo que estas leituras dão que pensar.

 

O labirinto da direita

Não consigo compreender os comentadores de direita em Portugal. Eles sabem (e escrevem habitualmente) que o País enfrenta uma crise gravíssima e que as eventuais soluções para os problemas crescentes passam por reformas muito difíceis que o actual governo não quer e não pode lançar. A inércia, como escreve Miguel Morgado neste texto, é um "sinónimo de crise".

Miguel Morgado reage a um comentário de Vasco Pulido Valente, do qual há um excerto aqui. O autor de Cachimbo de Magritte é geralmente muito certeiro, mas neste post, do segundo parágrafo para o terceiro, entra em perfeita contradição. Cavaco Silva não vai dar o poder à direita (as direitas que refere são motivo de gargalhada) e, logo a seguir, inércia é igual a crise. Logo, Cavaco, quando for eleito, vai prolongar a inércia e, portanto, a crise. Daria para perguntar: então, porquê votar Cavaco Silva?

 

Esta legislatura leva um ano. Como poderia o País suportar mais três anos no labirinto? Um Presidente reeleito e sem mais problemas de reeleição, que conhece a situação melhor do que qualquer um de nós, ia impedir a chegada ao poder dos reformistas que podem fazer alguma coisa para mudar a situação? Ainda por cima, os seus apoiantes na reeleição? O raciocínio não faz qualquer sentido.   

Penso que alguns comentadores de direita têm de começar a definir-se. Ou querem José Sócrates ou não querem. Mas dêem a resposta com clareza. E se não querem o actual governo, expliquem como é que se sai do labirinto.

Cavaco e a Direita

A direita conservadora portuguesa sempre gostou muito de Cavaco. Por sua vez, a direita portuguesa mais liberal nunca morreu de amores por ele. Agora parece que os conservadores (?) estão descontentes com o Presidente da República. Parece, mas não é bem assim. São meros amuos de circunstância. O engraçado em tudo isto é ver a direita mais liberal a ter de vir a terreiro defender Cavaco.

 

No meu caso, não pretendo defender ou atacar Cavaco, serve apenas para escrever o óbvio. Uma das coisas mais irritantes da política portuguesa é a constante procura pela pura perda de tempo. Neste caso, o que o PR fez foi remar contra a maré, ou seja, não perder tempo. Só não percebo o descontentamento da tal direita conservadora. Queriam que o Presidente fizesse o quê? Arrastar um processo que estava mais do que decidido?

 

Não me peçam para ser contra o casamento homossexual. Nem sou contra nem deixo de ser. Cada um escolhe o seu caminho e quem sou eu para criticar opções de vida. Da mesma forma que se amanhã um qualquer partido ou grupo vier defender a bigamia continuarei indiferente. Reconheço a todos o direito a escolher o seu caminho. Não imponho as minhas convicções a ninguém.

 

São inúmeras as razões para não apoiar Cavaco agora esta do casamento homossexual? Tenham juízo. Só falta ver a direita conservadora e democrata-cristã de braço dado com Fernando Nobre. Era de ir às lágrimas de tanto rir. Sobretudo imaginar uma arruada nos Aliados ou no Chiado e eles misturados com os soaristas e alguns bloquistas.