Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Albergue Espanhol

"-Já alguma vez estiveste apaixonado? - Não, fui barman toda a minha vida." My Darling Clementine, John Ford.

Albergue Espanhol

"-Já alguma vez estiveste apaixonado? - Não, fui barman toda a minha vida." My Darling Clementine, John Ford.

Uma Tragédia Portuguesa

 

 

 

 

O discurso de José Sócrates no primeiro dia do congresso do PS é todo um tratado.

 

Quando terminou fiquei espantado: “Será que acabei de ouvir o ainda Primeiro-ministro que governa Portugal desde 2005?”. Foi nessa altura que me recordei de um filme marcante de 2010, “Fair Game”, cuja história verídica se resume em meia dúzia de linhas: Uma agente da CIA, Valerie Plame, descobre que ao contrário do que Bush e os seus acólitos afirmavam, o Iraque não possuía nenhum programa de armamento nuclear percebendo que tudo não passava de uma falsa desculpa para uma guerra sem sentido mas com evidentes ganhos eleitorais para Bush. Ou seja, uma manipulação justificativa de uma guerra com contornos e objectivos obscuros.

 

Para acalmar os Abrantes e outras almas do mesmo calibre, deixo já o aviso para a salvaguarda das devidas diferenças, mesmo sendo elas ténues em termos de estratégia de comunicação justificativa dos meios para os fins desejados. Como hoje me dizia um amigo, com graça, o discurso de Sócrates teria sido genial se ele fosse o líder da oposição nestes últimos seis anos. Os mais distraídos chegaram mesmo a confundir e juram ter ouvido Sócrates a afirmar que o culpado da trágica situação económica é Pedro Passos Coelho que governa o país desde 2005…

 

O ainda Primeiro-ministro é um homem perigoso senhor de uma máquina de manipulação comunicacional como nunca se viu em Portugal. Ele utiliza a mesma filosofia dos ajudantes de Bush e isso foi bem visível no momento “Ó Luís, fico melhor assim, ou assim?”, não percebendo que estava a transformar uma tragédia numa comédia. Ao contrário do que alguns, inocentemente, pensam ele não está desfasado da realidade. Ele sabe muito bem, melhor do que ninguém, o actual estado do país e por o saber, por ter a perfeita noção da sua responsabilidade, prefere manipular a realidade utilizando todas as técnicas possíveis e até as que se pensava ser impossíveis.  

 

 

 

 

 

Este congresso do PS é o espelho dessa filosofia. Sem olhar a meios, sem pensar nos custos e sem respeitar o estado em que o país se encontra, a sua equipa montou um espectáculo digno dos melhores momentos do Circo Chen, uma espécie de produção estilo “Casa dos Segredos”  ao mais puro estilo “novo-rico” que ainda não sabe como vai pagar mas cujo objectivo é impressionar enganando os incautos através de uma manipulação comunicacional sem remorsos de qualquer espécie.

 

Num país civilizado, Sócrates pediria desculpa pelo que fez. Em Portugal, segue para bingo como se nestes últimos anos ele tivesse sido líder da oposição e não Primeiro-ministro.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.