Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Albergue Espanhol

"-Já alguma vez estiveste apaixonado? - Não, fui barman toda a minha vida." My Darling Clementine, John Ford.

Albergue Espanhol

"-Já alguma vez estiveste apaixonado? - Não, fui barman toda a minha vida." My Darling Clementine, John Ford.

O melhor amigo de José Sócrates

 

Na ressaca imediata do escrutínio autonómico na Catalunha, onde o seu partido sofreu a maior derrota eleitoral de sempre, José Luis Rodríguez Zapatero - o "melhor amigo europeu" de José Sócrates - apressou-se a fazer aquilo em que é exímio: desdizer tudo quanto prometera. Isto numa altura em que todas as sondagens o apontam como virtual derrotado nas próximas legislativas em Espanha, a pressão dos mercados financeiros sobre Madrid é cada vez maior e nas hostes socialistas se fala já abertamente em cenários para a sucessão do líder, que concentrou todas as energias governativas em medidas de engenharia social e no fracassado diálogo com os separatistas bascos enquanto via o país mergulhar em níveis brutais de desemprego. O défice das contas públicas espanholas cifra-se agora em 9,3% e o desemprego atinge já 20% da população activa - o mais elevado da zona euro.

O balanço da governação socialista é desastroso. Zapatero, em busca do tempo perdido, procura ansiosamente retocar a sua embaciada imagem de governante, dando o dito por não dito em aspectos fundamentais do seu discurso e da sua prática política. Prometeu mais apoios sociais, atribuindo um subsídio extra de 426 euros aos desempregados de longa duração - e acaba de anunciar que esse subsídio será abolido já em Fevereiro. Prometeu dar prioridade absoluta ao investimento público - e acaba de anunciar que confiará à iniciativa privada a gestão dos emblemáticos aeroportos de Madrid e Barcelona. Prometeu solidez financeira sem abdicar do rumo "socialista" - e nada tem de melhor para anunciar agora aos espanhóis do que a privatização da sociedade pública de lotarias e apostas, o que equivale a uma confissão pública de desespero.

No palco contemporâneo da política europeia, não me lembro de nenhum outro governante que tivesse sido tão ambicioso no capítulo das promessas e se revelasse afinal tão escandalosamente incapaz de as concretizar. Só mesmo Sócrates seria capaz de dizer com ar sério que Espanha "tem um dos melhores primeiros-ministros do mundo" .

Diz-me que modelos escolhes, dir-te-ei quem és.

 

Texto publicado aqui a 2 de Dezembro e agora reeditado a propósito disto

 

 

2 comentários

Comentar post