Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Albergue Espanhol

"-Já alguma vez estiveste apaixonado? - Não, fui barman toda a minha vida." My Darling Clementine, John Ford.

Albergue Espanhol

"-Já alguma vez estiveste apaixonado? - Não, fui barman toda a minha vida." My Darling Clementine, John Ford.

O Filho de Campo de Ourique

Já tive o gratíssimo prazer de ler, de uma ponta à outra, O Filho de Campo de Ourique, livro de short stories escritas pelo António Figueira (5dias e Albergue), editado pela D.Quixote e já à venda numa livraria perto de si.

 

São histórias que não se conseguem parar de ler. Atrás de cada uma fica a conhecer-se um pouco melhor a fina (finíssima) capacidade que ele tem de capturar personagens e situações ficcionais a partir de sujeitos e situações plausíveis, quer do quotidiano, quer da história de vida que cada um é (e do lastro que carrega consigo). Cada história – superiormente escrita – percebe-se, encerra em si outra: a que lhe deu origem. E também é nessa leitura dúplice que reside grande parte da satisfação em ler este conjunto de “contos”. Mas o prazer da leitura não se fica por aqui; sentimo-lo permanentemente na arquitectura da escrita, no esquema formal da narrativa, em cada um dos compartimentos do Filho de Campo de Ourique.

 

E sentimo-lo, claro, na proximidade da sua dimensão urbana, num livro de histórias de cidade povoadas por pessoas como nós num tempo que pode também ser o nosso.

 

Os meus parabéns ao António Figueira por esta fantástica estreia que não pode ficar por aqui.

8 comentários

Comentar post