Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Albergue Espanhol

"-Já alguma vez estiveste apaixonado? - Não, fui barman toda a minha vida." My Darling Clementine, John Ford.

Albergue Espanhol

"-Já alguma vez estiveste apaixonado? - Não, fui barman toda a minha vida." My Darling Clementine, John Ford.

O ex-pugilista regressa ao ringue

 

Nuno Morais Sarmento esperou que o PSD viabilizasse o Orçamento do Estado para 2011 ("indispensável", segundo Manuela Ferreira Leite e o próprio Morais Sarmento) e que os sociais-democratas subissem claramente nas sondagens para sair a terreiro com críticas a Pedro Passos Coelho dignas de um animal feroz. A eterna 'nova esperança' do partido laranja conclui agora, em entrevista ao Jornal de Notícias, que "aos 46 anos" o actual líder do PSD, sem "nenhuma obra para mostrar", tem "perdido capital e reduzido a sua base de apoio". E confessa o seu imenso nojo pelo "espectáculo de agressividade política" revelado pelo Governo e pelo principal partido da oposição no recente debate parlamentar sobre o orçamento.

"Este exercício de degradação da confiança prejudica o País", lamenta o ex-pugilista amador, que tem toda a autoridade para denunciar a agressividade alheia e as expressões de falta de confiança. Logo ele, que na mesmíssima entrevista considera "inevitável que o FMI entre em Portugal antes do final do ano", prognóstico digno de injectar confiança em qualquer um. Logo ele, que se celebrizou pela graciosa frase “quando Cavaco fala sentimos um mau hálito político do lado de cá da televisão”.

Porventura já esquecido de tão elegante declaração, numa entrevista em que passa dois terços do tempo a criticar o líder do seu partido, o ex-ministro de Santana Lopes culmina esta profunda reflexão dominical com a seguinte afirmação: "Diria que Passos Coelho ainda é um 'ovo Kinder'. Ainda não temos elementos suficientes."

Já Morais Sarmento tem um percurso pessoal e um currículo político com elementos suficientes para não surpreender ninguém. Basta lembrar a campanha eleitoral de 2005, em que foi copiosamente derrotado por José Sócrates em Castelo Branco, onde encabeçou a lista laranja. Cinco meses volvidos, renunciou ao mandato, mandou às malvas as promessas feitas aos eleitores do distrito e foi tratar da vidinha. Para agora, com toda a naturalidade, poder dar lições de sabedoria política e de moral aos outros.

2 comentários

Comentar post