Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Albergue Espanhol

"-Já alguma vez estiveste apaixonado? - Não, fui barman toda a minha vida." My Darling Clementine, John Ford.

Albergue Espanhol

"-Já alguma vez estiveste apaixonado? - Não, fui barman toda a minha vida." My Darling Clementine, John Ford.

Um grande texto

Nunca visitei uma campa ou um jazigo e nunca elegi um dia ou um qualquer momento específico para recordar mortos, embora recorde vários com frequência. Julgo, aliás, que não há circunstância mais eficaz que uma morte para nos fazer pensar a vida...


Pensar a vida é um acto de inteligência e uma obrigação moral. O ritmo próprio do nosso tempo, combinando obrigações profissionais, paixões familiares, programas sociais e outros inadiáveis afazeres, espezinha com facilidade aquilo a que alguém já apelidou de "necessidade de deserto": afastamento, abandono, solidão e paragem. Afastamento do nosso quotidiano, abandono de "nós" e da nossa imagem, distância dos olhares dos outros e interrupção de tudo quanto faz a soma dos nossos ritmos.

Pensar a vida há-de ser fazer escolhas. E procurarmos ser, perante o que existe entre nós e o mundo, dominadores e não dominados. Trata-se de coisa que vai sendo rara, no frenesim a que nos submetemos e perante os valores e aquilo que merece reconhecimento nos nossos dias.

Entre os mortos que recordo com frequência não há um só que tenha sido publicamente célebre. Deixaram saudade, muita, o que os tornou célebres, sim, mas para os que tiveram a felicidade de lidar com eles.


Entre todos, alguns denominadores comuns: uma vida seguramente pensada, o reconhecimento preciso do essencial e uma espantosa coerência. A coerência própria de quem, não tendo visibilidade pública, jamais perderia um segundo que fosse com a problemática da mulher de César. Nunca precisaram de parecer coisa alguma. Foram, simplesmente, na simplicidade própria de quem adquire segurança suficiente para jamais se levar absolutamente a sério. Segurança que terá passado pela capacidade permanente para dar uma segunda demão a tudo quanto fosse preciso, se preciso fosse, para manterem intocável o modo como se respeitavam a si próprios e aos outros.

Acredito que crescer é um processo de distanciamento (e de aceitação, de reconhecimento) daquilo que é meramente efémero. Não concebo crescimento sem abertura para um processo voluntário, racional e permanente de aceitação da relatividade daquilo que somos. Sob pena de entupirmos, com as nossas "certezas", o nosso próprio processo de crescimento.

Os mortos que recordo com frequência nunca partiram. O seu exemplo, mais que saudade, deu razão à esperança. Aqueles que recordo com frequência deram lugar à esperança graças ao modo como, crescendo, foram um exemplo de paz. De paz no modo como encararam os acontecimentos, as vicissitudes da vida, como trataram os outros, como se relacionaram com as coisas e como, na adesão a essa paz, souberam caminhar em paz consigo próprios.

Aquilo de que escrevo não é coisa própria do dia 2 de Novembro. É coisa de todos os dias. É coisa própria do legado daqueles cuja vida foi muito mais do que impostos em dia e soma de tempo que passa. Foram vidas que passaram por mim e por outros e que ficaram. Que ficaram no conforto oportuno dos seus gestos, das suas palavras e da sua companhia, que ficaram no modo como procuro levantar-me todos os dias para a vida e na vontade de saber transmitir aos meus filhos o modo como vale a pena vivê-la.

Os mortos que recordo com frequência foram homens e mulheres que, morrendo, não mais deixaram que um modo diferente de ficarem. Talvez se torne sensível, por estes lados, o momento inicial da nossa própria eternidade...
Gonçalo Vassalo Moita

2 comentários

Comentar post