Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Albergue Espanhol

"-Já alguma vez estiveste apaixonado? - Não, fui barman toda a minha vida." My Darling Clementine, John Ford.

Albergue Espanhol

"-Já alguma vez estiveste apaixonado? - Não, fui barman toda a minha vida." My Darling Clementine, John Ford.

A presidência do Parlamento.

 

Claro que o essencial do dia de hoje é a existência de um acordo de governo entre PSD e CDS e a consequente indigitação do primeiro-ministro Passos Coelho. Dito isto, parece-me bem o agreement to disagree a que se chegou entre o PSD e o CDS na questão da Presidência do Parlamento. A intenção de Pedro Passos Coelho ao convidar Fernando Nobre para se candidatar à presidência da Assembleia da República com o apoio do PSD nunca foi a de ter um Presidente alinhado com o governo, mas antes a de eleger um Presidente cuja independência contribuisse para um clima de melhor entendimento entre os partidos e de maior proximidade entre a Assembleia e os cidadãos. Desse ponto de vista, é até salutar que na hora da votação Fernando Nobre não apareça como o candidato da coligação mas sim como o candidato livre e descomprometido que desde o início prometeu ser.

 

A aposta em Fernando Nobre é uma aposta arriscada, como todas as apostas de mudança. O CDS está no seu direito de não querer participar nela. Mas esta aposta do PSD está longe de estar perdida: nem só com a maioria de governo se conseguem os 116 votos necessários. Quando o Parlamento reunir pela primeira vez, os deputados sentados à esquerda do PSD terão uma escolha a fazer: ou aceitam a oferta de colocar um independente na presidência do Parlamento, ou impõem um regresso à habitual lógica partidária que resultará num Presidente da AR afecto à coligação maioritária. Não viria daí grande mal ao Mundo: seria apenas uma oportunidade perdida. Mais uma numa longa série de oportunidades perdidas graças à esquerda. Mas não tem que ser assim.

6 comentários

  • Sem imagem de perfil

    natalia santos 16.06.2011 14:21

    Essa informação sobre a esfregona é tão importante que me deixou de rastos. Estarei a ser injusta com o senhor? Tenho que procurar mais informação e rever a minha posição. Obrigada.
  • Sem imagem de perfil

    Maria Antónia 16.06.2011 17:54

    Ouça, era a brincar. O homem é mesmo o típico vizinho do lado sossegado e não pretende ser outra coisa se não um homem sério e simples. Achei um piadão.

    Valéria
  • Sem imagem de perfil

    natalia santos 17.06.2011 00:19

    Eu desconfiei. Era bom demais para ser verdade. Mas fiquei naquela -não é verdade, mas é bem achado!
    Já a informação verdadeira ( mais cinzenta é certo) sobre ser um bom vizinho também ajuda.
  • Sem imagem de perfil

    Valeria 17.06.2011 12:39

    Não não ! Se calhar não me expliquei bem:
    O post era a brincar apenas no sentido de que achei graça transmitir essa informação que é completamente irrelevante mas é 100% verdadeira: vi-o mesmo de saquinhos de compras na mão e com a dita da esfregona - sabe como é quando ainda vêm envoltas em celofane :-)) ?
  • Sem imagem de perfil

    natalia santos 18.06.2011 20:04

    Obrigada pelo esclarecimento, pois não considero o acto irrelevante.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.