Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Albergue Espanhol

"-Já alguma vez estiveste apaixonado? - Não, fui barman toda a minha vida." My Darling Clementine, John Ford.

Albergue Espanhol

"-Já alguma vez estiveste apaixonado? - Não, fui barman toda a minha vida." My Darling Clementine, John Ford.

Democracia Verdadeira = Populismo do Pior (2/3)

3. A democracia promovida a partir dos corruptos aparatos burocráticos é, simplesmente, um conjunto de práticas eleitorais inócuas, em que os cidadãos têm uma participação nula. [Manifesto da "Democracia Verdadeira" aqui].

 

Em toda a minha vida nunca tinha assistido em Portugal a um ataque tão directo e tão declarado à democracia. E não me parece que seja ingénuo. Isto ao mesmo tempo que se diz promover a democracia. Nem Salazar teria tanto descaramento! Práticas eleitorais inócuas? Então votar não serve para nada? Os cidadãos têm participação nula? Quer isso dizer que os cidadãos estão impedidos de votar? Pensei que a única coisa que impedia os cidadãos de votar era o seu próprio desinteresse e alheamento!

 

Curiosamente, falando de desinteresse e alheamento, são os próprios "democratas" daquele manifesto a confessarem "muitos anos de apatia":

 

1. Depois de muitos anos de apatia, um grupo de cidadãs e cidadãos (...) reuniram-se, no Rossio, em torno da ideia de Democracia Verdadeira. [O mesmo linque].

 

Ainda que mal pergunte... mas porque é que estes "democráticos" se mantiveram apáticos durante os anos de governo socialista e só se lembraram de deixar a apatia de lado quando finalmente tudo indica que a direita regressará ao poder em Portugal (e em Espanha)? O activismo só lhes dá na guelra quando é contra a direita? Pois é: estes democráticos apáticos trazem consigo o velho e mesmo preconceito: esquerda é democracia, direita não é democracia; quanto mais extremista, mais democrática é a esquerda. Enfim, nada de novo...

 

A "Democracia Verdadeira" é, isso sim, igual a populismo do pior. Em Portugal há partidos e até são bem variados (só alguém de direita é que se poderá queixar de falta de variedade). O espectro partidário é ainda bem extenso: inclui partidos moderados e partidos extremistas. A escolha, portanto, não é nada pouca.

 

Se o voto nos partidos não serve e não é democracia, a "democracia verdadeira" será então o quê? Milícias? O poder entregue ao primeiro parvalhão que se apodera do megafone ou que sobe a um poste e é capaz de berrar mais alto do que os outros?

 

Democracia não é mob rule. O regime precisa de se defender das ameaças oclocráticas. E os portugueses (e espanhóis) têm experiência histórica suficiente para saber em que é que as oclocracias acabam. Mas, é claro, experiência histórica não é o mesmo que cultura, conhecimento históricos.

 

Para além do conhecimento e compreensão da História, é evidente que em Portugal faz falta uma cultura democrática que não seja miserabilista, isto é, que seja um bocadinho aprofundada. A miséria da escola pública tem também destas consequências: nem a gente diplomada parece compreender com um mínimo de profundidade o que é a democracia. Faz falta cultura e estudo políticos e históricos e económicos. Mas a sério.